08 outubro, 2010

Posted by mais uma |
Final de semana prolongado significa mais cabeças ociosas no mundo.
Temos sim o período de descanso, mas esse tempo varia pra cada um, e quando acaba é igual para todos.
Pensamos nas conseqüências nos nossos atos, mas o que predomina mesmo são os atos sem pensar.
Se caso houvesse um controle, esse seria sem duvida o momento em que teríamos mais merdas no mundo por minuto.
É um número de telefone que não deveria ser discado...
Convívios que são forçados,
que ocasionam em desentendimentos sem bons motivos
e por aí vai...
Apertem os cintos e respire fundo, pois o feriado chegou... 

6 comentários:

  1. Oi Duda, estou aqui. Vim assim que li o seu recado, elogioso, obrigada, lá no meu Blog. Como vc escreve bem! São poemas? são pensamentos filosóficos? Adorei, vou comentar mais, neles. Vc me autoriza a copiar alguns e divulgar? Eu coloco autoria, com certeza. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Duda! Obrigada pelo comentário *-* Adorei o teu também e quero saber o mesmo que a Ana, se são poemas, pensamentos... são muito legais, escreves muito bem mesmo!
    Vou vir sempre aqui!
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Duda. Vim dizer que adorei a sugestão de nome para o desenho e batizei-o em sua homenagem. Obrigada. Vá lá ver e, por favor, seja uma seguidora do meu Blog! Bjs

    ResponderExcluir
  4. Olha, hoje eu só vim mesmo avisar que como o meu blog http://lenjob.blogspot.com está completando CINCO ANOS eu postei lá DEZ POEMAS novinhos de presente e aguardo sua visita prometendo voltar aqui para degustar do seu.

    João Lenjob.

    Terremoto
    João Lenjob

    Porque na natureza de seus olhos
    Tem o infinito que nenhuma outra tem
    E tem amor como ninguém
    O sonho que maior, que tudo pode ser
    A alegria de corresponder ao meu olhar
    E apreciar o feitiço que provoca
    Invoca, convoca.....
    Que clama no sorriso que acompanha
    Que irradia a atenção
    Trepida o coração como terremoto
    Sem noção de calma ou existência
    De causa ou consequência
    Que faz dançar o sangue como bailarino
    E não cansar a retina paralisada
    Solitária no tremer sem fim de todo corpo
    Num intenso brilho seu e todo constante
    E na eternidade de seu olhar.

    ResponderExcluir
  5. Duda, só você mesma pra me aliviar depois do comentario que tive pouco antes do seu ainda da postagem anterior.
    Olha, visite o http://castelodopoeta.blogspot.com também. Acho que vai gostar.
    Beijos!!!

    João Lenjob.

    ResponderExcluir
  6. Olá Duda!
    Obrigada pelos elogios no meu blog é muito gratificante ver que as pessoas gostam da minha maneira descontraida!
    Estou te seguindo também, ok?
    Bastante reflexivo o seu post, gostei! :D

    Um beijo!

    ResponderExcluir